domingo, 15 de julho de 2012

O LOBO DA ESTEPE de Herman Hesse




Terminei de ler o livro e fiquei a pensar como começaria a escrever sobre ele. É um tipo de história que tira do eixo, sabe?

O Lobo da Estepe é a história de um intelectual de cinquenta anos que vive em na turbulenta década de 1920. Depois, de abandonar a vida burguesa, se entrega à vida boêmia dos bares, dos salões de dança onde aprende o jazz. 

Harry Halle é um cara em conflito. Avesso à sua sociedade. Ao longo do livro, faz uma viagem interna e sua essência é revelada. Na realidade, seu eu é fragmentado e existe diversos Harry dentro dele. A narrativa mostra como somos contraditórios por causa disso.  O protagonista apesar de detestar a burguesia, continuar a viver em seu meio. 

 Nas caminhadas de Harry, encontra o Tratado que mostra sua vida conflituosa.   

  “O Tratado do Lobo da Estepe e Hermínia tinham razão em sua teoria das mil almas; amiúde surgiam em mim, junto a todas as antigas, algumas novas almas, com suas pretensões, alvoroçadas, e agora via claramente, como um quadro posto diante de mim, o processo de minha personalidade até então. As poucas habilidades e matérias em que eu casualmente era forte haviam ocupado toda a minha atenção, e eu pintara de mim a imagem de uma pessoa que não passava de um estudioso e refinado especialista em poesia, música e filosofia; e como tal  tinha vivido, deixando o resto de mim mesmo ser um caos de potencialidades, instintos e impulsos que me pareciam um transtorno e por isso os encobria com o nome de Lobo da Estepe.”  ( página 131)

Antes ele acreditava ter dupla personalidade: O lobo da estepe e ele. Mas, descobre ter mil almas, mesmo que se sinta atraído pelos dois polos, percebe um infinito de instintos e pensamentos que atuam sobre ele, concebendo diversas personalidades, que seu ego não consegue conter. 

A personagem Hermínia é muito curiosa. No momento que ele a conheceu, lembrou-se do amigo de infância Herman, que tem o mesmo nome do escritor do romance. Ela o entende muito bem e apresenta Pablo, um músico e Maria.

Hermínia pretende fazer Harry aprender a dançar e ser menos triste. O protagonista encontra um pouco de felicidade. Inclusive, o livro tem uma discussão entre a Alta Cultura e a cultura pop da época como o Jazz. Harry aprecia os artistas imortais( seus grandes poetas e músicos - Goethe e Mozart) , enquanto as novas obras e os novos meios de comunicação, vulgares que não faz ninguém refletir. 

Logo, no meio dessa viagem vertiginosa de conhecer o caos interno do seu ser. Encontra O TEATRO MÁGICO ( feito para poucos, como dizia mais ou menos na instrução), onde se depara com um espelho que o leva a outras realidades e a pluralidade de suas personalidades. Curioso, nessa parte, não pude fazer referência ao conto de Borges, Aleph: Trecho de Aleph, livro de Borges.

 "[ ...} vi a circulação do meu sangue escuro, vi a engrenagem do amor e a transformação da morte, vi o Aleph, de todos os pontos, vi no Aleph a Terra, e na Terra outra vez o Aleph e no Aleph a Terra, vi meu rosto e minhas vísceras, vi teu rosto, e senti vertigem e chorei, porque meus olhos tinham visto aquele objeto secreto e conjectural cujo o nome os homens usurparam mas que nenhum homem contemplou: o inconcebível universo."( "O Aleph")

O romance apesar de várias passagens pessimistas deixa uma mensagem positiva: Precisa-se compreender a diversidade que está na gente. Não adianta empurra para o tapete suas contradições, precisa saber administrar as personas e os eus que residem na gente. Para isso, precisa sonhar e ter fantasia e brincar de interpretas no Teatro Mágico da vida. E o protagonista encontra um equilíbrio para administrar essas personas.



Porém, este universo do O Lobo da Estepe é microscópico, pois se refere às várias almas ou eus que há dentro de cada ser. 



Fonte:

http://resumos.netsaber.com.br/ver_resumo_c_2425.html